Parte III - Um casal muito interessante !  

rm_01rasta 52M/52F
140 posts
3/24/2005 11:10 am

Last Read:
3/5/2006 9:27 pm

Parte III - Um casal muito interessante !

PARTE III Quando acordei no dia seguinte e ví Peter dormindo de bruços ao meu lado , por um momento achei que tinha sonhado tudo aquilo do dia anterior . Enquanto curtia a vista daquele corpo gostoso de homem , fiquei repassando tudo o que tinhamos vivido nos ultimos dois dias , muito mais do que haviamos feito nossa vida inteira . E olhe que eu e Peter nunca fomos um casal nada convencional , sempre falando abertamente sobre nossas fantasias , pensando no dia em que teríamos coragem de vive-las . Se tivessemos ! E, de repente , o mundo desabava sobre nós , nos jogando num torvelinho de prazeres inesperados e sem culpa . Meu coração bateu mais forte ao lembrar o que tinhamos feito , e percebi que agora eu amava e desejava mais meu marido que anteriormente. Repassei mentalmente cada momento vivido nos dois dias anteriores e ainda não acreditava no tinhamos tido coragem de fazer. Quando sentí meus doloridos bicos dos seios endurecer novamente , achei que era melhor ir tomar um banho antes do café . Me surpreendí ao encontrar Marla já de pé , com aquela vitalidade só dela , com a cara mais feliz do mundo , e decidimos ir tomar nosso café na varanda para escapar dos ouvidos indiscretos dos empregados. Tão logo nos acomodamos num canto discreto , ganhei um beijo quente na bôca , seguido do comentário : -- “ Você acredita em mim agora ? Ontem quando te falei que os seres humanos mais evoluídos são bi-sexuais por definição , você achou que eu estava exagerando , não é ?! Você viu os nossos dois queridos machos se deliciando um com o outro e até esquecendo das nossas atraentes bucetinhas . Nem por um momento pense que eles são bichas enrustidas ! São apenas dois homens que descobriram como pode ser bom o sexo , independente de quem está por baixo ou se a boca que chupa seus cacêtes é feminina ou masculina . Tudo é pura convenção . Sempre foi . Você precisa se preparar para agora em diante . Ele vai aceitar facilmente as suas fugas para trepar com outras mulheres e não se surpreenda se souber que ele andou comendo algum travestí . Pelo sim pelo não , te aconselho a manter um estoque de vibradores porque muitas vezes você vai ter chance de enrrabar o teu homem . E vai sentir um prazer enorme nisso . Aproveite ! Ele vai ser o marido mais fiel do mundo porque , simplesmente , não vai ter coragem de pedir a qualquer outra puta para comê-lo . Isso vai ser um privilégio seu . Ou meu também , se você concordar , porque tenho que admitir que êle tem uma bundinha deliciosa “ -- “ Você tem esse direito permanente “ - respondi - “ Afinal você nos abriu as portas para um mundo novo e delicioso . Só que tem uma condição : Para cada vez que você comer o meu maridinho , além de comer o seu eu quero ter a chance de chupar você até teu gozo molhar minha lingua ! Adorei dividir nossos machos e ve-los dando a bunda mas , não consigo esquecer da tua lingua me dando um banho completo . Pena que temos apenas mais dois dias pela frente , pois adoraria ficarmos juntos o resto da vida . Acho que ainda tenho muito para aprender com você . “ -- “ Dois dias é tempo suficiente para a gente se divertir muito !! Quer apostar ? Por exemplo , você admite que todos os homens normais , como os nossos dois machos , gostam e muito da ideia de verem suas mulherzinhas queridas trepando com outros homens ?  “ Agora você forçou a barra , Marla ! Acho que Peter sequer gostaria de me ver dando para aquele seu marido gostoso “ - respondi surpresa. -- “ Não se iluda Rose ! O que eles não aceitam é descobrir que foram chifrados sem saber . Raciocine comigo : todo homem evoluído como os nossos , quer a certeza de ter casado com uma putinha . E putas dão para os outros !! Ou não ?! Quando eles vão galinhar naquelas boates ,ficam todos animadinhos com aquelas vadias , mesmo e principalmente porque eles sabem que elas dão para todo mundo . Eles odeiam ser traídos , mas adoram a idéia que , se outros estão comendo , é porque a carne é de primeira ! Eles apenas querem saber , ou ver , ou participar . Em toda troca de casais , o maior prazer dos machos é ver sua femêa ser fodida por outro . “ Fiquei um pouco quieta pensando nos forte argumentos da Marla , e tentando imaginar Peter de pau duro ao me ver chupando o pau de alguém . Parece que Marla leu meus pensamentos :  “ Rose , repare que homem tem fixação por pau . Pelo deles e pelo dos outros . Veja a reação deles ao ver qualquer filminho pornô ! Eles olham mais para o cacête dos atores que para a bunda das atrizes !  Você não acredita muito , não é ?! Quer a prova ? “ Realmente eu não estava nada convencida , e Marla prometeu armar um outro plano para me provar . Mais algum tempo e nossos adorados e doloridos maridos se juntaram a nós , e logo Marla cobrou seus depoimentos sobre a experiencia do dia anterior . Mais liberal , Roger foi o primeiro a falar :  “ Eu tenho que admitir que , graças ao nosso comportamento sexual diferenciado na Dinamarca , eu já tinha tido algumas relações homosexuais durante a juventude , e certamente a Marla sabe disso . No entanto , ontem foi surpreendentemente bom , sensacional .  Gostei de dar , de comer , de chupar e ser chupado . Foi mais excitante por saber que vocês duas estavam vendo e ficando excitadas com aquilo . “ -- “ Concordo com você , Roger “ replicou Peter . “ Claro que no tempo de colégio , como todo mundo , eu tive minhas aventuras homo , mas nada comparado com a gostosura que tivemos ontem . Não me sintou nem um pouco viado por saber que fui enrrabado e porque gostei . Como eu suspeito que as nossas duas esposas queridinhas também andaram aprontando entre elas , me sinto menos culpado . “ Após essas duas declarações honestas e sinceras , todos ficamos a vontade para comentar sobre nossos sentimentos e sensações no dia anterior . O resultado após vários minutos de papo , foram bicos empinados , bucetas molhadas e paus duros . Marla aproveitou o momento de excitação e voltou a desafia-los :  “ Então vocês concordam que foi bom o que nós planejamos ? Ótimo.  Que tal experimentar outra novidade ? Vocês terão que confiar muito em nós duas e esperar pelo resultado final . Que tal ? Ela foi imediatamente metralhada pelas perguntas dos dois , já imaginando sei lá o que de sacanagem , mas pediu calma para explicar:  “ Do mesmo jeito que vocês homens fazem habitualmente , hoje nós duas vamos sair para galinhar . E vocês vão estar por perto , mas não junto conosco . Que tal sentir um pouquinho o gosto de chifre , . hem ?  Não fiquem com essas carinhas desapontadas ! Vocês vão estar por perto o tempo todo , mas apenas para nos proteger , SE nós pedirmos. Vamos paquerar e avançar até o limite que nós duas quizermos e vocês serão meros observadores . Aposto que irão gostar muito . Topam ?! Evidentemente não era bem isso que eles estavam esperando , e meio a contragosto concordaram e pediram mais detalhes do plano dela . No entanto , Marla se negou a qualquer outra explicação e passamos a manhã na piscina , com muitos drinks e provocações de parte a parte Nós duas combinamos que a idéia era deixa-los bem tezudos mas não trepar durante o dia , e assim foi feito . Dava dó o desperdicio de ver aquelas duas varas tão interessantes subir e descer sem que pudessemos sentar nelas e faze-las espirrar dentro da gente . Mais proximo da hora do almoço Marla deu inicio ao seu plano e avisou que iriamos almoçar no Shopping Center de uma cidade próxima, mas que usaríamos dois carros, um para os homens e outro só para ela e eu. Enquanto os homens se preparavam , nós duas fomos nos vestir juntas e ela me passou as primeiras instruções :  “ Rose vista uma mini-saia bem curta e um top bem provocante . E não vista nada por baixo . Nem calçinha nem soutien ! Também não use uma saia muito justa , que impeça você de abrir as pernas com facilidade . Nós vamos nos exibir no Shopping , e temos que estar muito a vontade . “  “ Você ficou louca ? - perguntei - “ de mini-saia e sem calçinhas em pleno dia num Shopping movimentado como aquele ? Vamos ser atacadas ou prêsas por atentado ao pudor ! “  “ Fica fria , meu bem ! Sei o que estou fazendo . Uma das coisas que mais gosto e sei fazer é exibicionismo em público , e você vai gostar também. Muito seguro e discreto , mas terrivelmente excitante “ Um pouco preocupada , seguí suas orientações e vestí uma mini-saia branca de lycra , que ficava justa mas permitia todos os meus movimentos . O Top , mesmo sem o soutien cobria discretamente meus seios , permitindo uma bôa visão apenas se alguém estivesse abaixo de mim. Marla escolheu um mini vestido bem curto , daqueles que ficam armadinhos no corpo , e graças a sua magnifica bunda também propiciava uma bela visão para quem olhasse por baixo . Com o tecido bem leve , os bicos dos seus peitos ficavam bem marcados e meio transparentes. Nos maquiamos cuidadosamente e fomos encontrar nossos maridinhos que protestaram um pouco quando viram as nossas roupas e a ausencia das roupas .  “ Fiquem quietinhos , queridos ! - foi respondendo Marla - “ como sempre vocês vão se divertir e muito . Peguem uos seus celulares e também a maquina fotográfica digital para registrar as suas esposinhas queridas se exibindo em público . E lembrem-se : Não falem conosco nem fiquem muito junto a menos que nós os chamemos. Nos acompanhem numa distancia segura mas, para todos os efeitos , vocês não nos conhecem , certo ? “ Meio a contra-gosto os dois aceitaram e seguiram nosso carro pela estrada. Eu dirigia nosso carro e logo adiante um caminhão nos ultrapassou e o motorista emparelhou para melhor apreciar o espetaculo daquelas duas gostosas , com as cochas de fóra . Fingimos que não davamos atenção , mas ele insistia e businava , chamando o colega de cabine para também apreciar o panorama. Naquela hora a estrada estava bem deserta e só eramos seguidos a distancia pelo carro de Peter . A puta da Marla , fingindo nem notar o assédio dos caminhoneiros, continuava a falar comigo , e se mexendo de maneira que o vestido subisse cada vez mais . Eu também estava começando a gostar e discretamente puxei minha mini-saia mais para cima , praticamente deixando todas a minhas cochas de fóra , para delirio dos homens no caminhão . Depois de alguns minutos de show , inesperadamente , Marla se encostou em mim e levantando meu top botou para fóra meus seios e em seguida grudou a boca neles , numa chupada que fez até barulho. Foi demais para os pobres coitados , que perdendo a direção do veículo foram parar no meio da ilha de grama que separa as duas vias da estrada, com o caminhão pulando como louco , até parar . Também nos assustamos , mas logo que percebemos que tudo estava bem, caímos na gargalhada e aceleramos para nos livrar dos nossos primeiros admiradores do dia . Logo meu celular tocava e era Roger perguntando se queríamos matar todos os motoristas de caminhão da estrada . Mais gargalhadas. Sem mais incidentes chegamos ao Shopping e sempre seguindo nossa líder desfilamos pelos corredores como duas bôas amigas fazendo compras , enquanto nossos amados vinham bem atrás , sempre de olho. As viradas de cabeça e os olhares que recebemos mostraram que estavamos num bom dia para sacanagens . Os homens e mesmo umas poucas mulheres nos comiam com os olhos , em convites mudos porem insistentes . Para ser franca , eu ainda me sentia um pouco estranha ao saber da minha própria nudez , com alguns poucos milimetros de pano escondendo meu corpo , mas ao mesmo tempo isso me excitava, ajudado pelos comentarios discretos de Marla : -- “ Rose , não te teza imaginar o que todos esses homens fariam se soubessem que estamos peladinhas por baixo destas roupas ?! Esse ventinho gelado do ar condicionado acariciando minha bunda não me deixa esquecer que estou praticamente nua , no meio de um monte de gente . Se eles pudessem ler pensamentos estaríamos perdidas ! Naquela proxima vitrime da loja de sapatos , debruce um pouco fingindo examinar alguma coisa para que a saia suba um pouco e mostre mais suas cochas . Você vai sentir os olhares furando você ! “Depois de algumas discretas exibições , entramos num dos restaurantes para almoçarmos . Cuidadosa , Marla escolheu uma mesa estrategicamente colocada de frente para a parte onde estavam sentados mais homens engravatados , tipicos executivos das empresas multinacionais da cidade. Minutos depois , Peter e Roger também entravam e escolhiam uma mesa de frente para nós , proximos dos executivos que claramente haviam interrompido as conversas para admirar aquelas duas gostosas . Providencialmente , as mesas possuiam toalhas bem curtas, o que permitia uma visão privilegiada por baixo, sem panos para atrapalhar. Depois de pedir duas caipirinhas de vodka russa , Marla pegou o celular e chamando o marido discretamente deu mais instruções :  “ Oi querido ! Como está a visão daí ? …….. Ótimo , essa é a idéia !  Preste atenção nos movimentos e conversas dos outros homens ao lado de vocês quando eu e Rose começarmos o nosso showzinho …  Não se preocupe …. Sei o que estou fazendo … beijinhos ,amôr “  “ Rose , continue discreta como está até que passe o primeiro impacto da nossa chegada . Eles ficam mais excitados se acharem que somos duas mulheres muito sérias que , acidentalmente estão com as pernas a mostra . Se a gente começar logo , vão achar que somos putas e vão perder o interesse . Deixe que eles percebam nossas alianças nos dedos . Por enquanto fique de pernas fechadas e não dê atenção aos olhares dêles . “ Tomamos nossas caipirinhas conversando como amigas , entremeando nossas falas com alguns comentarios quase murmurados .  “ Marla , não olhe agora mas , na sua direita acabou de chegar um pedaço de mal caminho que não tira os olhos das minhas pernas . Dá para sentir o olhar dêle tentanto abrir minhas côchas ! “  “ Bem em frente a mim também tem dois que não são de jogar fóra .  Bonitos , elegantes , meia-idade e estão muito interessados em que eu afaste os joelhos . Deixa eles esperarem um pouco mais ! Vamos pegar a salado e desfilar um pouquinho esses nossos corpinhos desejaveis ! “ Conforme o previsto , o ruído das conversas até diminuiu quando levantamos e passeamos em volta do balcão de saladas. Não pude deixar de admirar a habilidade da Marla , debruçando-se sobre o balcão fingindo escolher algo , e levantando levemente a parte de trás do vestido . Como não podia imita-la , levantei meus braços várias vezes para pegar os vidros de molhos , fazendo aparecer parte dos meus peitos para a platéia embevecida . Novamente sentadas , muito casualmente começamos a afastar e cruzar as pernas , dando chance aos nossos voyeurs de plantão grudarem os olhos na expectativa de ver mais e mais . Aquele joguinho estava me excitando muito , principalmente sabendo que meu próprio marido fazia parte da platéia e estava ciente da vontade dos homens ao nosso redor . Seguindo a orientação da Marla , não deixamos eles perceberem a ausencia de nossas calçinhas até que restassem alguns poucos ainda comendo e nos dando atenção . Quando isso aconteceu , me acomodei de maneira a ficar sentada bem na ponta da cadeira e lentamente fui abrindo as pernas até que , separadas por um palmo de distancia , permitissem a visão de miha bucetinha depilada e , a essa altura , já toda molhada. Marla fazia o mesmo , e discretamente íamos contando uma para a outra as reações dos nosso alvos favoritos . Sem dar bandeira de olhar diretamente para eles, íamos ficando cada vez mais ousadas , permancendo mais tempo com as pernas abertas, subindo um pouco mais as saias. Os dois executivos na minha frente , com visão privilegiada do meu show , já nem conversam mais , com os olhos prêsos embaixo da nossa mêsa, e os poucos comentários que trocavam certamente eram sobre o que eles estavam vendo e advinhando . Os efeitos da caipirinha já se faziam sentir , e um calor subia pelo meu corpo , provocando arrepios na minha espinha . Para complicar mais ainda , a Marla pegava no celular e ligava para nossos maridinhos e provocava :  “ Oi amorzinho ! Tá bôa a vista ? Seus vizinhos de mêsa estão adorando ! Olha bem , vou abrir um pouco mais as pernas para que eles vejam bem esta bucetinha gostosa …. Dá para você ver daí ?….. então eles também estão vendo ……. Será que eles já estão de pau duro ?…. até que parecem bem gostosinhos …. Fiquem calminhos …. Isso é só o começo ! “ Eu gostaria de saber o que passava na cabeça daqueles homens ao constatar que aquelas duas belas mulheres estavam sem calçinhas em pleno restaurante , sem se preocupar se estavam sendo vistas ou não. Quando levantamos para nos servir dos pratos quentes , os dois homens também levantaram e juntaram-se a nós no balcão , fingindo se servir de algo mais . Lado a lado , nós duas conversavamos animadamente , ignorando-os completamente , até que um deles , mais ousado , com a desculpa de passar atrás de mim roçou minha bunda mal protegida , me fazendo sentir a dureza do seu caralho que estufava as calças. Levei um choque e minhas pernas até amoleceram ,mas continuei firme . O colega dele , não querendo ficar para trás , aproveitou a displicente mão da Marla apoiada na borda do balcão e encostou seu pau também endurecido por interminaveis segundos . Sem corresponder aos olhares dêles , voltamos calmamente para a mesa e continuamos nossa exibição , percebendo a exicitaçãp que também tomava conta de Peter e Roger . Quando eles se levantaram para se servir , deu para notar os volumes de cacêtes estufados . Nossos executivos esticavam o almoço até não poder mais , pedindo cafezinhos e mais cafezinhos enquanto saboreavam o espetaculo de nossas bucetinhas expostas . Os bicos da Marla também estufavam seu vestido mostrando a tezão que ela sentia ao se exibir . Eu sentia minha racha tôda molhada e até temia que meu leite escorresse pelas pernas abaixo . A vergonha que eu havia imaginado ao me expor tanto em publico , estava se transformando numa tezão insuportavel e eu estava adorando a situação . Num dado momento os dois se levantaram e foram em direção ao banheiro ,o que fez com que Marla imediatamente ligasse para o Peter :  “ Querido , você viu que eles foram dar uma mijadinha ? … então siga êles e verifique o tamanho dos cacêtes …….. claro que estou interessada….. vá mijar do lado deles e confirme para mim ! “ Peter e Roger obedientes foram atrás dos dois e para minha surprêsa Marla pediu a conta , rapidamente pagou e me puxou para fóra do restaurante , sob meus protestos .  “ Calma queridinha ! Não vamos ficar o resto do dia com esses dois no nosso pé . Temos muito ainda a fazer . Vem comigo e depois a gente telefona para nossos maridos e damos a localização “ Rapido , fomos para o ultimo andar do Shopping e começamos a passear de novo pelos corredores , até que Marla me agarrou pelo braço e quase me arrastou para dentro de uma pequena loja de sapatos. Só percebi o motivo quando reparei que haviam poucos clientes e o rapaz que atendia era uma gato muito gostoso. Mostramos a ele quais os modelos que queriamos experimentar e fomos sentar num canto discreto até que êle voltasse com um monte de caixas e se ajoelhasse aos nossos pés para ajudar-nos a experimentar os sapatos. Certamente ele estava esperando apreciar um pouco mais das nossas pernas , mas quando Marla distraidamente afastou as pernas bem em frente a êle , o garoto quase desmaiou . Ficou meio sem graça, vermelho e fingindo que não queria olhar para aquilo tudo . Quando ele se virou para mim e deu de cara com outra buceta aparecendo , ficou sem saber o que fazer . Enquanto nós seguravamos o riso , êle se ausentou um pouco e , para nossa surprêsa voltou com uma mulher , de seus trinta anos , que parecia ser a gerente da loja . Muito interessada , ela foi logo se agachando na nossa frente e sujerindo outros modelos , descaradamente olhando para nossa nudez mal disfarçada. O garoto , um pouco mais animado , também voltou a se ajoelhar e se deliciar com nossa exibição explicita . A tal gerente nos olhava dentro dos olhos , com um convite muito claro , mas para o qual nos fizemos de bôbas. Apesar de ser uma mulher bem gostosa , nosso objetivo naquele dia era se exibir e não partir para a fóda . Depois de algum tempo tezando aqueles dois , escolhemos quaisquer dois pares de sapatos e saímos da loja deixando para trás os olhares desejosos e os bicos e pau endurecidos . -- “ Vamos para junto da escada central “ - ordenou Marla - “ repare que aquelas divisórias baixas de vidro podem oferecer um bom show para quem estiver subindo as escadas ou passar no andar de baixo Ässim fizemos e aproveitamos a estacionada para ligar para nossos maridos e avisar onde estavamos . Apesar do pouco movimento , logo percebemos os mesmos homens subindo e descendo as escadas , quase tropeçando nos degraus ao olhar para cima e deparar com duas magnificas bundas semi-expostas . Com o canto dos olhos pude perceber a tal gerente da loja de sapatos nos achando e descendo ao andar de baixo para nos olhar mais um pouco . Foi engraçado perceber que Peter e Roger também so posicionavam ao lado dela e descaradamente ficavam curtindo a paisagem . Infelizmente não pudemos ficar alí muito tempo porque um grupo de jovens barulhentos também percebeu o show e se amontoaram na escada para nos observar , chamando a atenção mais do que gostaríamos. Marla, experiente como sempre , me levou até o banheiro mais próximo , onde ficamos algum tempo para sermos esquecidas . Aproveitando que estavamos sózinhas no banheiro , trocamos impressões , beijos e até mesmo algumas chupadinhas rápidas para ajudar mais ainda o aumento da tezão . Maquiagens retocadas , chamamos os nossos homens e avisamos que iríamos sair do shopping, para que eles nos seguissem . Já estava escuro lá fóra , e tomamos o rumo de casa , planejando como iríamos destruir nossos queridinhos depois de tanta tezão acumulada. No meio do caminho , Marla perguntou que tipo de bar era aquele que se podia avistar a alguma distancia do asfalto . Expliquei que era uma boate de baixo nivel , para caminhoneiros e putinhas de estrada, sem nenhuma sofisticação ou conforto . -- “ Ai que delícia ! Vamos lá ! Nunca estive num lugar assim e quero conhecer . Afinal eu estou me sentindo muito putinha de estrada hoje “ . E sem atender minhas ponderações sensatas , pegou o primeiro desvio e se dirigiu para o tal bar , pedindo que eu orientasse Peter e Roger sobre os novos planos . Eu já fiquei apreensiva logo na entrada . A tal boate era mais um inferninho , um só ambiente muito escuro , iluminado apenas com luzes vermelhas e opacas , com várias mesas de madeira mal conservadas, cobertas com toalhas de plastico . Algumas putas semi-vestidas circulavam entre as poucas mesas ocupadas por caminhoneiros e a bebida mais cara sendo consumida obviamente era cerveja . Uma musica brega e o perfume barato das mulheres impregnavam o ar , misturando-se a fumaça dos cigarros baratos . Claro que nossa entrada provocou um silêncio geral e todos os olhares convergiram para nós duas , claramente duas estranhas no ninho . Sem dar bola , caminhamos displicentes até uma mesa num canto e nos acomodamos como se fossemos apenas mais duas vadias de estrada. Fomos seguidas de perto por Peter e Roger que também chamaram a atenção ,principalmente das putas presentes , e se acomodarm em outra mesa bem em frente a nossa. Aos poucos a coisa foi voltando ao normal e depois de pedirmos duas cervejas , fomos examinando melhor o ambiente . Junto ao balcão do bar haviam tres ou quatro putas , com minusculas saias e tops que deixavam seus peitos praticamente para fóra . Em cada mesa ond haviam homens , eles estavam rodeados de outras vadias , que dividiam as bebidas e se esfregavam descaradamente . As mãos deles e delas ficavam mais tempo em baixo das mesas que em cima , e com as tolhas curtas podiamos abservar facilmente os amassos pesados . Passado o susto inicial , fomos nos ambientando e voltando a ficar excitadas com aquelas cenas de sexo quase explicito bem perto da gente . Na nossa frente , os respectivos maridos também já pareciam mais descontraídos e já arriscavam olhares mais interessados para as mulheres presentes, recebendo em troca olhares de aprovação total. Estavamos distraídas , discretamente observando as mãos sumirem no meio das pernas de quase todos os presentes , quando a porta se abriu e entrou um típico caminhoneiro que nos chamou a atenção . Era alto , moreno , uns 35 anos , bem forte , barba por fazer , vestia uma camiseta regata e um daqueles horriveis calções de pernas largas. O corpo era bem proporcionado e a camiseta deixa transparecer um peito muito peludo . Estava na cara que ele havia se preparado para visitar as meninas , porque estava com cara de banho tomado , cabelo penteado e cheirando a agua velva . Ele foi direto até o balcão , pediu uma cerveja e ao virar-se para examinar o ambiente deu de cara com nos duas admirando-o. Sem as hesitações tipicas de um homem educado , pegou a garrafa e veio direto para nossa mesa , sentando-se entre eu e Marla , sem pedir licença e já se apresentando como Pedro . O contato com aquela mão enorme e aspera durante o cumprimento já me deu um arrepio dos pés a cabeça e o seu jeito um tanto grosseiro de nos tratar como putinhas comuns me causava uma sensação nova e excitante . O mesmo devia estar acontecendo com Marla , pois a abusada logo colava sua cocha desnuda naquela perna musculosa e peluda ao seu lado. A conversa inicial foi aquela de sempre , do tipo “ vocês são novas aqui ? “ “ nunca ví vocês antes “ “ vocês duas são bem gostosas “ etc. Mais algumas rodadas de cerveja e nossas mãos já estavam em grande atividade , passeando por baixo da camiseta , nas nossas cochas e costas . Os corninhos dos nossos maridos observavam , visivelmente preocupados e um pouco excitados com a cena , mas aguentando firme. Marla , sempre atrevida , esfregava os peitinhos no braço desnudo dele , e com as mãos acariciava as cochas cheias de pelo , vindo cada vez mais para cima , ameaçando pegar no cacête . Eu enfiei minha mão dentro da camiseta , sentindo aqueles musculos duros , pegando nas tetinhas dele , arranhando um pouco a barriga e também ameaçando descer mais e me enfiar pela cintura do calção. Uma mão de Pedro acariciavam as pernas de Marla ,caminhando rapidamente para baixo do minusculo vestido e a outra arranhava minhas costas tentanto descer mais pela cintura da saia . Quando ele percebeu a ausencia de calçinha da Marla, deu um largo sorriso de satisfação e imediatamente veio conferir se eu também estava nua , puxando rudemente minha saia para cima e exibindo minha buceta para quem estivesse em frente . Quando sentí aqueles dedos asperos forçando a entrada da minha racha , tive que morder os lábios para não gemer , e me erguendo um pouco puxei minha saia completamente para a cintura , deixando o territorio livre para êle . Pedro ficava enfiando os dedos nas nossas bucetinhas molhadas e quentes , tirando apenas para pegar a garrafa gelada e levar à bôca . Quando voltava a nos bolinar , aqueles dedos grossos estavam um pouco gelados , o que só fazia aumentar a nossa tezão . Ninguém nas outras mesas nos dava a menor atenção , todos ocupados com suas respectivas fódas , e só mesmo Peter e Roger disfarçadamente acompanhavam a evolução dos acontecimentos. Um gritinho abafado de surpresa da Marla me fez olhar para baixo e ver que ela havia enfiado a mão pela perna do calção e puxado para fóra um pedaço do pau dele , o que me fez perder o folêgo . Eu nunca havia visto um pau daquela grossura . A cabeça arrocheada mal conseguia ser segura pela mão da Marla , e o comprimento devia estar acima dos 20 centimetros . Por um momento ficamos as duas apalpando aquela vara maravilhosa, sem acreditar que existia . Enquanto nós nos regalavamos , Pedro punha suas mãos para funcionar e molhando um dedo na minha enxarcada buceta tentou enfiar no meu cú , o que me obrigou a levantar um pouco para permitir a entrada. Aquele dedo rude me rasgando a bunda e aquela vara enorme na mão fez minha cabeça virar e quase tive uma vertigem de tanta tezão. Quando sentei novamente o dedo foi fundo no meu rabo , se entalando como um cacête , provocando mais um esguicho na minha rachinha. Minha mão se encontrava com a de Marla nos passeios pela pica de Pedro , sentindo aquele saco peludo , aquelas bolas enormes e cheias, voltando até a chapeleta cada vez maior e mais dura . Dois dedos de Pedro entravam e saiam a vontade da bucetinha de Marla , que rebolava de prazer , perdendo o controle completamente. Depois de muito amasso , a decidida Marla chamou o garçon e pediu a conta , avisando para o nosso querido caminhoneiro :  “ Agora chega de brincadeira, queridinho . Minha buceta está pedindo pica e é a sua que ela quer . Você aguenta com duas putas como nós ao mesmo tempo ? … Tem certeza ? …… então vamos pegar o seu caminhão e sair para foder “ Não precisou pedir duas vezes e em alguns segundos lá estavamos nós subindo na boléia de um enorme caminhão , providencialmente sem a carroceria , e nos acomodando , eu no banco de trás e a oferecida da Marla ao lado do nosso deus grego . Sem saber onde ir , Pedro seguiu as apressadas instruções de Marla: -- “ Segue a estrada até achar alguma saída de terra , onde a gente possa se enfiar sem ser vistos . Nada de motel ! Quero fóda ao ar livre , a luz da lua , com sereno molhando minha bunda .. “ Disfarçadamente olhei para trás e percebi Peter e Roger nos seguindo discretamente . Ainda na estrada ,com outros caminhões passando ao nosso lado , a maluca da Marla resolveu tirar a roupa e em segundos estava totalmente nua , se mostrando para o Pedro e provocando : -- “ Olha aqui, gostosão . que você acha de comer uma bucetona apertada como esta ? olha como ela está toda molhada só de pegar no teu pau …. Olha minhas têtas como estão de bico duro … Põe esse cacete delicioso para fóra , põe … deixa eu ver essa chapeleta enorme que daqui a pouco vai estar me fodendo tôda …. “ Com inveja dela , também me livrei das minhas poucas roupas e nosso pobre caminhoneiro nào sabia se olhava para a estrada ou para aquelas duas gostosas se oferecendo nuazinhas em pêlo . Enquanto ele procurava desesperadamente uma estrada deserta , Marla pulou para trás e nos agarramos num 69 delicioso , com Marla declarando entre gemidos que sempre sonhara em trepar numa boléia de caminhão . Tive que me segurar para não gozar na bôca dela, ao sentir o salgado daquela bucetinha já tão conhecida e desejada . Sacudidas bruscas do caminhão nos mostraram que finalmente Pedro achara o caminho , e poucos minutos depois ele parava o caminhão no meio de uma estrada de terra escura , sem o menor sinal de civilização por perto . Tão logo estacionou , meio enlouquecido , ele se livrou das roupas e nós pudemos apreciar em sua totalidade aquela magnifica pica , totalmente endureçida , rodeada por muitos pêlos pretos , completamente diferente do que estavamos acostumadas a ver em nossos sofisticados maridos. Rapidamente ele abaixou os dois bancos da frente , transformando a cabine quase numa cama de casal , pulando literalmente sobre nós como um cachorro no cio . Nós três nos agarramos numa mistura de beijos , chupadas dos peitos, chupadas no pau , sem interessar muito quem estava pegando quem , numa loucura total . Passado o primeiro momento, Pedro deitou-se de barriga para cima, exibindo aquele mastro enorme e eu e Marla caímos de bôca , dividindo sem brigas as chupadas gulosas desde a cabeça até as bolas . Por incrivel que pareça , doía minha bôca de tão aberta ao abocanhar aquela pica inacreditavel . Mal entrava e logo aquela chapeleta encostava no céu da bôca , não permitindo a minha vontade de engolir todo aquele pedaço de carne . Marla lutava com a mesma dificuldade , e quase se matava na tentativa de sentir a bôca toda recheada de pica , chegando a dar pequenas mordidas na vara , como que querendo encolhe-la um pouco. Como nós duas estivessemos ajoelhadas ao lado de Pedro , com as bundas viradas para seu rosto , o nosso delicioso caminhoneiro aproveitava a oportunidade para invadir nossas bucetas e cús com aqueles dedos grossos e rudes , provocando gemidos abafados de nossas bocas ocupadas . Quando sentimos nossos maxilares doloridos de tanto esforço para chupar aquilo tudo , Marla pulou para cima do Pedro ,dizendo :  “ Agora , meu amor , vamos fazer o milagre de desaparecer essa vara tôda na mais macia bucetinha que você já comeu até hoje . Rose , ajeite essa pica monstruosa na porta da minha racha , porque se entrar torto vai me arrebentar todinha . “ Com prazer segurei o cacête , apontando bem no meio daquela rachinha apertada , e por um momento achei que ele nunca caberia lá dentro , tal a diferença de diametro . Dava para assustar aquela cabeça enorme forçando a portinha já bem molhada , sumindo lentamente , conforme Marla is descendo seus quadris sobre ele. Ela gemia , num mixto de prazer e dôr , e por vezes chegava a tirar um pouquinho a vara , para logo em seguida se enfiar de novo , engolindo um pedaço de cada vez , alí bem na minha cara . Demorou algum tempo até ela conseguir acomodar toda aquela carne dentro dela , e com um suspiro de alivio relaxou e começou a subir e descer a bunda , fazendo os labios da buceta virarem e revirarem , completamente preenchidos pela pica de Pedro . Afastei-me um pouco para presenciar melhor a cena e pude perceber que Peter e Roger também haviam nos achado e discretamente escondidos num barranco proximo apreciavam aquela fóda na cabine iluminada do caminhão . Aos poucos Marla ía se acostumando com a grossura do caralho e acelerava os movimentos , gemendo , gritando e xingando : -- “ Mete , filho-da-puta , mete ! …. Me arromba … me arrebenta , côrno gostoso…. Caralho , nunca engolí uma vara deste tamanho … parece um tronco de arvore …. Ai caralho … parece que vai chegar no meu estomago ….. puta-queo-pariu , que delicia …. Fóde puto …. Come essa buceta faminta … me arrebenta tôda….. ai caralho , vou gozar …. Não aguento mais … vou gozar … ai meu deus … ai, ai !!! Percebendo o orgasmo chegando ela começou a se enfiar furiosamente no mastro , puxando até a ponta e descendo de uma vez só , gritando e esporrando como uma louca , até cair desfalecida ao lado . Sem perder tempo , e percebendo que Pedro não havia gozado ainda , abocanhei aquela piça e comecei a mamar com toda vontade , enquanto punheteava coda vez mais rápido . Eu ainda sentia o gosto tão conhecido da buceta da minha amiga , todo espalhado naquela vara , quando um gemido mais forte de Pedro indicou que o gozo estava chegando também para êle . Abocanhei aquela cabeça vermelha disposta a beber aquela pôrra tôda , que começou a esguichar forte e quente na minha lingua , numa quantidade que quase me sufocou , me obrigando a tira-la da bôca por um momento . Os esguichos livres inundavam nossa cama improvisada e , refeita ,voltei a beber direto na fonte aquele nectar dos deuses , salgado , delicioso. Nunca ví alguem gozar tão fartamente , e fui novamente obrigada a soltar o pau sob pena de engasgar . Gentilmente , lambí mais um pouco daquela espôrra e fui beijar Marla na bôca para que ela sentisse o gosto . Apesar da violencia do gôzo , o caralho continuava de pé , tão duro quanto antes , apontando para o teto , pulsando e todo melado da minha saliva e do leite dele mesmo. Meu corpo todo tremia de tezão e minha cabeça dava voltas , e aí cometí a loucura da minha vida . -- “ Marla , agora é a tua vez de me ajudar . Vemcá segurar esse caralho enorme que eu vou engolir isso tudo no meu cú ! … não posso passar o resto da vida sem saber o que é ser enrrabada por um pau deste tamanho….. vou dar o rabo para esse viado , nem que me rasgue tôda..”  “ Você ficou louca , sua puta ? “ - gemeu Marla - “ ele vai te rasgar no meio ! … minha buceta está ardida inteirinha e você quer leva-lo no cú ?! …. Você vai morrer ! “ Sem dar bola para ela , molhei meus dedos na farta espôrra que escorria por todo canto e lambuzei meu cuzinho com gosto , enfiando um dedo dentro para lubrificar melhor . De cócoras em cima de Pedro , abrí bem minha portentosa bunda e sentí Marla encostando aquela cabeça grossa nasminhas preguinhas . Ainda me deu um frio na barriga , mas a tezão era maior e comecei a forçar a portinha , com a ajuda prestativa de Marla . Por uns momentos parecia impossivel que meu cú se abrisse o suficiente para engolir aquilo tudo , mais uma dorzinha leve me indicou que ele estava entrando . Mordi os lábios e dei um empurrão forte para baixo . Minha vista até escureceu com a dôr que eu sentí , mas os gritos de Marla e os gemidos de Pedro me indicaram que a cabeça tinha entrado tôda . Meu rabo ficou até adormecido , mas rapidamente a dôr doi sumindo e ganhei coragem para enfiar mais um pouco. Era muito mais fácil depois de passar a cabeça , e fui descendo minha bunda , sentindo aquele caralho enorme me invadir , duro como pedra , arrebentando o resto das minhas pregas . Mais um pouco de dôr , e logo aquela pica monstruosa estava tôda alojada dentro da minha bunda , para surpresa de todos , inclusive eu . Dava para sentir a pulsação daquele monte de carne enfiado no meu pobre cuzinho , e com um certo mêdo de sentir mais dôr , comecei a puxa-lo para fóra . Parecia que todos os meus orgãos iriam sair juntos , e não acabava mais de sair pau de dentro de mim. Tomando cuidado para não escapar a cabeça , voltei a sentar lentamente , agora sem dôr alguma , e uma sensação impossivel de narrar. Como eu estava de costas para o Pedro , o filho-da-puta , achou de começar a me dar palmadas na minha bunda , cada vez mais fortes ,com aquelas mãos enormes e asperas , me xingando de tudo : -- “ Puta cú gostoso ! … engole meu caralho , sua puta … poucas mulheres aguentam minha piça no rabo como você …. Puta cuzinho macio …. Assim sua putona …. Rebola o cú … não deixa escapar meu pau senão eu te bato com mais força nessa bunda poderosa “ -- “ Você achou que eu não aguentaria , não é seu filho-da-puta , cafageste….. piçudo gostoso …. Meu cú aguenta pau maior que esse e ainda pede mais … bate na tua puta , bate … deixa minha bunda vermelha …. Judia da tua vadia …. Enfia com fôrça , arrebenta minhas pregas , seu côrno …. Me arromba tôda de uma vez … me usa , me fóde … enche meu cú de pau ….. mete vagabundo … cavalo .. puto..” Quanto mais eu xingava mais ele batia em mim e minha bunda já ardia tanto dentro quanto fóra , me levando a loucura , aumentando os movimentos de entra e sai sem me importar com o tamanho descomunal daquela pica . Quando eu sentí meu cú pegando fogo , dei uma apertada forte naquela vara e sentí os primeiros esguichos de pôrra inundando meu rabo. Um gozo alucinante me invadiu , e comecei a esporrar sem parar , rebolando a bunda tôda enterrada no pau , gritando e mexendo sem parar . Aquele caminhoneiro devia ter um poço de espôrra dentro dele, pois a quantidade que eu sentia esguichar dentro de mim era tão grande quanto aquela que eu bebera a poucos minutos . Com as pernas amolecidas , fui ajudada a sair pela Marla e desmaiei . Não sei quanto tempo depois acordei suavemente sacudida pela Marla sussurando que estava na hora de irmos . Ao nosso lado , Pedro dormia o sono dos justos , e ainda demos um ultimo beijo naquele cacête que mesmo mole ainda era enorme . Em silencio , vestimos nossas roupas e caminhamos até onde Peter e Roger nos aguardavam . Rapidamente sumimos dalí , tomando a estrada em direção a nossa casa. Houve um longo silencio no carro , quebrado finalmente por Marla :  “ e o outro carro ? como vamos pega-lo ? “  “ Não se preocupe “ ‒ respondeu Peter - “ ele está no estacionamento e podemos voltar amanhã para pega-lo “ Marla ,mais recuperada que eu , voltou a provocar nossos maridos : -- “ então , meus amores gostosos , gostaram de vêr suas mulherzinhas puras se exibindo e fodendo com outros homens ? Conta pra gente se é ou não gostoso ser corno manso de vez em quando ! “  “ Eu gostei “ - respondeu prontamente Roger - “ só fiquei preocupado quando vocês resolveram sair com aquele brutamontes do bar ,porque a gente nunca sabe o que vai rolar . “ -- “ Eu também “ ‒ concordou Peter - “ além disso não me sentí corneado ,pois haviamos concordado e estavamos vendo tudo . Tenho que admitir que foi delicioso vendo vocês se mostrarem no shopping e mesmo sendo fodidas pelo caminhoneiro . Fiquei de pau duro a maior parte do tempo . Rose , como é que você aguentou uma pica daquele tamanho ?”  “ Você ficou com inveja , não é querido ? “ brinquei respondendo ‒ “ não me perguntem aonde fui achar coragem para engolir aquilo tudo Meu cú está ardendo até agora … “   -- “ Até agora ? “ retrucou Marla - “ vai arder por uma semana ! , minha pobre bucetinha está destruída e você vem falar do seu cuzinho ?! você me surpreendeu ! Nunca pensei que alguem aguentasse levar um pau daquele tamanho na bunda ! “   -- “ Peter , ainda bem que gozamos bastante naquela punheta vendo essas duas putas treparem ! Do jeito que elas estão , não vamos poder fode-las nos proximos dias ! “   -- “ Espere até amanhã , queridinho “ - respondeu Marla ‒ “ uma bôa pomada e amanhã estaremos novas , prontas para mais aventuras . Além disso , caso a gente ainda esteja dolorida , vocês ainda podem se divertir bastante comendo um ao outro , certo ?   “Todos riram e concordaram .   Ao chegar em casa , nos arrastamos até nossos quartos e após um banho quente mergulhamos no merecido sono .

MMMUUIIIITTO BBBOOOMMMM !!!!

No minímo três amores......com prazer.....e vocês.....o que acharam ?

Não esqueçam os comentários....

[]s


hmau
2 posts
7/19/2005 3:25 pm

gostei só que eu sou melhor ou quero melhor...


hmau
2 posts
7/19/2005 3:30 pm

é eu quero outras gatas que possam fazer melhor,isso é aventura pura dizem que só existem 3 maravilhas na vida sexo,comida,efutebol.
poriso eu falo existem talves umas 5 maravilhas na vida sexo,futebol,bebida,dinheiro,e felicidade,é muito raro ver pessoas felizem hoje em dia por que eu não sei dizer mas a verdade é talvez porque não me conhecem...


rm_humhum1961
1 post
11/21/2005 8:56 am

Adorei tanto que estou indo ao banheiro dar um jeito se não melo as calças.


queroxoxotaepau 41M
2 posts
11/29/2006 6:33 am

FIQUEI LUCO DE TESÃO.MARAVILHOSO!!!BEIJOS


champbrazil2010
2 posts
1/10/2011 9:16 am

um no c´outro na buceta, fazer4 isso com uma safada sempre é muito bom!


Become a member to create a blog