Surpresa!!!!!  

rm_01rasta 51M/51F
140 posts
2/25/2006 2:37 am

Last Read:
11/8/2011 12:10 pm

Surpresa!!!!!


Hoje vou relatar uma historia muito boa que aconteceu comigo, devido aos relatos que postei neste site de contos. No começo desse mês recebi, no inicio fiquei alegre, mas logo quando vi que era de um homem, perdi um pouco da alegria. Tudo bem. O e-mail era muito meloso, dizendo que morava nas mesma cidade, e que meus relatos era tudo q ele sonhava em viver, que era casado, e tinha a fantasia de dividir a esposa. Aí já fiquei animadinho. No mais, dizia que gostaria de fazer amizade, seu eu não me importasse. Fiquei meio encabulado, mais depois de trocarmos mais alguns e-mails, acabamos marcando um lugar, e nos conhecemos. Marcamos na praia, no fim da tarde. Saí do trabalho, e fui. Antes de continuar vou me descrever e informar q a história é um pouco longa, por isso a contarei em 2 partes. Eu sou branquinho, com 1,70m e quase 90 quilos. Cabelinho preto, rostinho super bonito, gordinho, mas bem jeitoso. Tenho 24 anos. Tenho namorada que é uma bela mulher, muito bonita e gostosa. Continuando... Parei o carro um pouco antes do local combinado e fui andando, cheguei no barzinho, e logo reconheci o meu amigo, pelas roupas que ele informou que vestiria para aquele encontro. Nos apresentamos e pedimos mais uma cerveja, já que ele já tinha tomado uma, para quebrar o gelo. Ele, o Paulinho, era casado com a Paulinha. Ele tinha 29 anos, era bem bonito, nem magro nem gordo, cabelo pretinho, estilo surfista, tinha cerca de 1,75, e depois como comprovei, uma bundão empinado. Nós conversamos coisas banais, tentando nos conhecer. O mais legal foi algumas confissões dele: Que era casado com uma mulher muito gostosa, mas que o sexo em casa era só papai-e-mamãe, nunca tinha comido o cuzinho dela por q já havia pedido pra chupar o cuzinho da esposa duas vezes e ela não quis; que sentia vontade de dar a bundinha, já que na adolescencia, costumava brincar de médico com os amiguinhos; que a esposa não deixava ele gozar dentro da boca dela, só no rosto; que não tinham filhos, que eram do interior, e que estavam casados e morando na cidade a 2 anos; ele trabalhava com informática (eu também); que moravam num apartamento pequeno mais bem aconchegante e que na cama dele caberia mais uma pessoa, se eu conseguisse ajudá-lo a convencer a esposinha; que adorava ler contos eroticos, e que a esposa gostava de se mastubar ouvindo ele contar as histórias; entre outras coisas... Contei um pouco da minha vida também, e que eu não poderia garantir nada, mas que tentaria ajudá-lo. Ví que o cara era realmente uma boa pessoa, e que poderia mesmo rolar uma boa amizade, além de sexo. Marcamos de nos encontrar outro dia. Nos encontramos umas três vezes mais, sozinhos, e na quarta vez, ele levou a esposa. Ele me falou que tinha sido muito dificil convence-la pois ela estava com medo de que esta tentativa de relacionamento fora do casamento, pudesse quebrar o amor deles. Eu falei que deixasse comigo, q eu não decepcionaria. No dia marcado, uma sexta no final do expediente, rumei para o nosso point de encontro. Era um barzinho muito gostoso, com musica ao vivo (voz e violão) e afastado do agito, fica numa praia um pouco mais deserta. Demorei um pouco, para dar tempo deles chegarem primeiro, para que ela não ficasse inibida. Passei na frente bem devagar, e vi que eles já estavam, dei a volta, estacionei o carro e caminhei lentamente pra mesa. Me aproximei do lado dela, de frente pra ele, desejei boa noite, e esperei ser convidado para sentar-me, o que não demorou. Fui apresentado a Paulinha, que era muito bonita, fiquei com muita pena do que deveria estar passando na cabecinha dela, já que ela apresentava uma feição no rosto de menina super inocente. Rostinho meigo de menina perdida precisando de ajuda. A paulinha realmente é uma gata. Ela é branquinha, seios pequenos, bem empinadinhos, branquinhos e muito bonitos e gostosos, uma barriguinha bonita, cheinha, mas muito bonita que a deixava com a bunda mais empinada, a bundinha dela era branquinha, bem macia e com algumas estrias, mas nada q tirasse a beleza daquela bundinha, o forte dela mesmo era a bucetinha, nossa como era lindinha, fofinha, bem inchadinha, com uma leve penugem em cima, rosadinha, e sem "marcas do tempo". Parecia uma menininha, e era, já que ela só tinha 24 anos. Passados alguns segundos, parei de encarar a Paulinha e começamos a sorrir e conversar. Por ser um cara que gosta de curtir a vida, e sou muito "palhaço", falo as pessoas sorrirem com facilidade. A conversa logo ficou descontraida. Não tocamos muito no assunto sexo, e quando o Paulinho tentava entrar, logo eu despistava e começavámos um novo assunto, essa era minha tatica de desinibir a Paulinha e não demostrar que eu estava ali só pelo sexo, o que até era verdade já que gostei do casal e pretendia levar uma amizade mais a sério. Parece que minha tática deu certo, em pouco tempo já parecia que nos conheciámos a tempos, a Paulinha estava desinibida, e findou-se este encontro comigo pagando a conta para mostrar a ela o meu cavalherismo. Dois dias depois recebi outra ligação do Paulo dizendo que sua mulher ficou impressionada comigo, pelo meu bom papo, e q ela tinha dito a ele que iria pensar com carinho na proposta de sexo a 3. Marcamos um novo encontro, que ocorreu aos moldes do 1. No terceiro encontro, nos mesmo moldes, mas com uma diferença, em determinado momento quando voltei do banheiro fui surpreendido com um convite do Paulo para terminarmos a conversa em seu apartamento, aceitei logicamente. No apartamento, a paulinha foi pro quarto e o paulo pegar 3 copos para tomarmos a cerveja que levamos. Uns 20 minutos depois, sai a Paulinha do quarto, tomada banho e trajando um babydol lindo, rosa com branco, fiquei abobado, mas logo disse que iria pra casa, eles insistiram para que eu ficasse, tomei mais uma das 8 cervejas que levamos, e brinquei dizendo que teria de ir, pois a Paulinha deveria estar cansada e que gostaria de deitarse, e que eu já tinhamos tomado 5 cervejas, e aquele era minha cota máxima, pois se tomasse mais, poderia perder os sentidos e fazer besteira, foi aí que sentir que as coisas iam dar certo, a paulinha disse, mas é isso que nós queremos, rimos todos, mas mesmo assim, fui pra casa. Isto foi numa quarta-feira. no outro dia, pouco antes da 9 horas, recebo uma ligação do Paulo me pedindo para ír jantar na casa deles na sexta, fiquei meio indeciso pois tinha um compromisso com minha namorada, mas ele insistiu e passou o telefone para Paulinha que me pediu de um jeito tão manhoso que me convenceu. Na sexta, sai do trabalho, fui direto pra casa tomar um banho, dei uma desculpa pra namorada e parti em direção a minha noite de prazer com aquele casal maravilhoso. Fui todo bem arrumado, perfumado, e vi que acertei no figurino, pois quando cheguei fui recebido com o lindo sorriso da Paulinha que estava simplesmente vestida como se fosse a alguma festa de luxo, belissíma, a elogiei muito antes de entrar. Ela mandou-me sentar e esperar um pouco que ía chamar o Paulo, alguns minutos vieram os dois e sentamos para conversar, uns 20 minutos depois a Paulinha levantou-se e nos chamou para o jantar. Ela tinha preparado uma deliciosa lasanha e o jantar foi muito divertido, pois conversamos bastante, terminamos e fomos descansar na sala assistindo a um DVD que a Paulinha tinha locado. Era um filme romantico em que Julia Robert se apaixonava por um dono de livraria, bem legal o filme. Ficamos tomando um cervejinha, assistindo o filme e conversando. Paulinha pediu licença e disse que iria trocar de roupa, e que eu podia ficar a vontade, apenas tirei a gravata e abri um pouco a blusa. Paulo viu, e disse que ia pegar um shot para que ficasse mais a vontadem relutei mais não teve jeito. Foi para o quarto e voltou com um short, fui ao banheiro e troquei, ficou legal apesar dele ser um pouco mais magro que eu. Quando voltei, a aninha sentada no sofá que eu estava, ficou olhando para os meus peitos. Sentei ao seu lado, e continuamos a assistir. Na metade do filme, Paulo disse que ia no quarto e eu fiquei com Paulinha conversando, bebendo lentamente, e assistindo o filme, logo percebi que o Paulo estava demorando a voltar. Nisso a Paulinha sem pedir, se deita com as pernas em cima das minhas. Logo pediu para que eu coçasse sua perna, coçei, e logo passei a alisar naturalmente enquanto conversavamos. O filme acabou e nada do Paulo voltar, a Paulinha foi ver, e voltou dizendo que ele estava dormindo. Fiquei sem graça e disse que estava tarde e que ia pra casa. Ela insistiu, insistiu, até eu dizer que ficava um pouco mais, isso já era quase 22:30 h. Ela colocou outro filme, pegou mais uma cerveja e ficamos assistindo. Nós já estavámos ligados da cerveja, e eu não controlava mais as caricias em suas perninhas. Ela se levantou, foi a cozinha e trouxe a última cerveja, abrimos a latinha, dividimos nos copos, só que dessa vez ela deitou-se com a cabeça no meu colo, e pediu para fazer um cafuné, comecei a alisar e coçar sua cabecinha, e logo-logo minha outra mão estava em sua barriguinha, e ela mesmo deu-se o trabalho de colocar minha mão em seu peito, e eu continuei o trabalho. Ela olhou-me nos olhos e pediu um beijo, nem pensei, cai naquela boquinha linda, sedosa, e suculenta, enquanto nos beijavámos, minha mão corria solta, e logo levantei o babydolzinho dela, ela estava sem calcinha, e me deparei com uma bucetinha lisinha, com poucos pelos em cima, branquinha, cheguei a parar de beijar para apreciar aquela beleza. Ela riu e me perguntou se eu queria comer aquela bucetinha, nem respondi, só a beijei afirmando minha vontande. Ela segurou meu rosto e sussurou no meu ouvido, "Come minha bucetinha, come, estou louca por vc". Nossa, aquilo me soou como o último pedido antes da morte, e não contei estória. Não queria perder tempo, e muito menos dar tempo para ela sentir remorsso pelo que estava fazendo, até por que o maridão não faria questão nenhuma. Me deitei por cima dela, e enquanto a beijava comecei a despí-lá. Não aguentei mais, e comecei a chupar aqueles peitinhos, branquinhos e empinadinhos, chupava um e outro, enquanto chupava um apertava o outro com a mão, e dava mordidinhas nos biquinhos, a mulher estava ficando louca, gritava e gemia, nem parecia que se preocupava com o marido dormindo ali tão perto. Acredito que ela já tinha concordado com o marido de experimentar uma diversãozinha para apimentar o relacionamento, pois nem parecia mais sse importar, como nos encontros anteriores quando ela ficava meio envergonhada. E eu apenas adorava aquilo tudo. Até por que embora tivesse tudo combinado, aconteceu naturalmente. Depois de chupar os peitinhos dela, que ficaram vermelhos de tanto de chupei, apertei e mordisquei, desci beijando a barriguinha, até o umbigo, e ali fiquei brincando um pouco, até que não me aguentei mais, comecei a beijar com muito carinho aquela bucetinha linda e cheirosa, apertava o clitóris com os lábios, e a olhava, e via que ela estava retorcendo o corpo pra trás sentindo muito prazer, nessa hora comecei a pensar que pelos relatos do Paulo, ele não sabia era usar aquela maquina de sexo que tinha em casa, pois ela estava me parecendo muito safadinha, ao contrário do que ele dizia sobre ela, até dizia que ela nunca gozou com ele. Enquanto chupava aquela bucentinha, comecei a colocar um dedinho dentro e ela ficava cada vez mais louca, alguns minutos depois eu já estava com 3 dedinhos, a bucetinha dela estava super encharcada pela minha saliva e pela lubrificação natural dela, ela já não gemia mais, gritada, e se contorcia toda, apertava as penas no meu pescoço, as vezes me deixando até sem ar. Quando olhei pro lado, vi que o Paulo estava em pé, escorado na parede, e fiz sinal para ele sair, ele entendeu. Já estava brincando naquela bucetinha a muito tempo, e de repente senti as pernas dela me sufocando, ela estava mexendo o corpo com mais intensidade e gemendo bastante, e de repente senti um gosto diferente na boca, ela tinha gozado, foi sensacial, é muito bom, eu adoro sentir uma gozada feminina na boca. Eu nunca tinha feito uma mulher gozar com a lingua, já tinha acontecido com o dedo, mastubardo, mas não fazer ela gozar diretamente na minha boca enquanto eu a chupava. Amei aquilo tudo. Adoro sentir o gostinho de mulher na minha boca. Fui pra cima dela, e comecei a beijá-la, ela estava quente e muito vermelha, principalmente em cima dos seios. Enquantos nos beijavá-mos ela dizia que queria mais, e que me amava. Me lenvantei, e tomei posição entre as pernas delas, levantei a perna direita dela até o alcance da minha boca, e comecei a beijar e lamber aquele pezinho pequeno e cheiroso, enquanto ralava meu pau na bocetinha dela, a deixando maluquinha, a ponto de ficar implorando para que a penetra-se logo, tentando diversas vezes ela mesmo colocar meu pau dentro dela, mas eu me afastava e voltava a esfregar em seguinda. Alguns minutos depois, resolvi acabar com o sofrimento dela, haja vista que ela choramingava bastante e até lagrimas tinha nos olhos. Quando penetrei aquela bucetinha ensopada, logo vi o alivio dela, que jogos a cabeça pra tras e ficou gemendo, enquanto apertava os seios, e eu bombava devagar, tirando tudo e colocando em seguida, deitei o corpo em cima dela e comecei a mamar naqueles peitinhos, ela apertava minha cabeça contra o peito e pedia pra colocar com mais força, o que fiz sem problemas. Visto que ela já tinha perdido todos os pudores, comecei a depravar, e comecei a dar tapinhas no rosto dela, que pra minha surpresa, pedia mais força nas tapas, e gritava: "vai meu amor, vai, bate com força vai, que eu gosto, vai bate mais... mais", fiquei louco e bati mais no rostinho dela, sem exagerar muito na força, a final, violência no sexo tem de ter limites, para não tirar o prazer. Perguntei no ouvido dela se ela queria ser minha putinha, ela respondeu com um "hun-hun", e ei dei uma tapa no rosto dela e disse, responde alto, e ela gritou, "eu quero, eu quero ser sua putinha, meu macho gostoso, me come, me come". Disse a ela que queria ver ela chupando o corninho do marido dela, e ela só gemia, de repente se deparou com Paulo, já pelado com o pau quase encostando na boca dela, a principio um susto, mas depois não se fez de rogada, e mamou a pica do maridinho, que fica louco com a chupada suculenta que a Paulinha fazia. Pra apimentar mais, eu manda o paulo chamar ela de putinha, e ela chamar o paulo de corno, o que faziam sem restrições. Coloquei a paulinha de quatro e enquanto ela mamava no corno eu chupava a bucetinha dela, e no cuzinho, deixei a bunda dela toda lambuzada e comecei a dar tapas, ela gemia e pedia mais, em voz abafada pela vara do paulo. Toda vez que minha lingua tocava no cuzinho dela, ela se transformava e ficava rebolando, empurrando a bunda contra meu rosto como quisesse que eu enfiasse minha lingua lá dentro, o que fiz rapidamente... ela gemia e dizia que queria me dar a bundinha. Fiquei louquinho, ela tinha uma bunda gostosa de se ver por tras, em formato de coração, linda mesmo. Comecei a colocar a pontinha do dedo naquele rabinho gostoso, colocava e tirava, só a pontinha do dedo, queria deixá-la muito afim mesmo de levar vara no rabo, queria ela doida por isso. Fiquei um tempão nessa, chupando e metendo o dedo no rabinho da Paulinha, até que não aguentei mais, e coloquei o pau na entradainha daquele cuzinho branquinho, que estava ensopado, pedindo rola. Empurrei, e senti a pressão da virgindade anal daquela gata, empurrei mais, ela sentiu dor e tentou ir pra frente mas como o Paulo estava na frente dela, ela acabou "ensaduichada" e eu forcei mais um pouco, meu pau não é grande, então tive um pouco de dificuldade, mas analisando depois, acho que nessas horas um pau pequeno é melhor que um grandão, consegui rompi a barreira, ela pediu pra tirar... mas eu fiquei paradinho, alisando as costas dela, e dizendo que a amava, e que ela era linda, etc... e ela foi amolecendo, e então senti que podia continuar, comecei lentamente, era muito bom sentir toda aquela pressão no meu pau, fiquei naquele vai e vem, até que ela começou a pedir mais, e se transformou numa verdadeira puta. O Paulo me olhava como se não estivesse entendendo, e eu apenas bombava gostoso... ela já rebolava e dizia que era minha putinha, e que eu comesse ela gostoso na frente do corninho. Aumentei o ritmo e disse que queria gozar no rosto dela, na verdade eu queria gozar na boca dela, mas fiquei receoso dela não querer... quando chegou a hora, sai de dentro daquele rebinho e mandei ela me chupar um pouco, e sem ela esperar gozei abundatemente na boca dela, ela se engasgou e tirou a boca, sobrando gala pra o rosto, cabelo e peito dela, espirrou gala até no paulo, que com o dedo tirou da barriga e colocou na boca. Fiquei muito cansado e me deitei no colo da Paulinha, mas o paulo ainda não tinha gozado e mandei a paulinha chupar ele, e eu fiqui chupando ela, e a comendo com os dedos. Acelerei as estocadas com o dedo, a paulinha parou de chupar o Paulo e começou a gozar feito uma louca, ficava se tremendo toda. O paulo gozou em seguida nos peitos da Paulinha. Ficamos deitados, descansando, até que a paulinha foi na conzinhar fazer um lanchinho, terminamos e fui convidado a dormir ali, mas achei melhor não, e prometi voltar na outra semana. Durante a semana recebi várias mensagens e ligações no celular, era a paulinha e o paulinho querendo que eu fosse, mas só fui mesmo na outra sexta, fiquei indo quase toda sexta pra lá, saciar-me com a quele casal gostoso e cheio de tesão.

MePegaForteVai 106F

10/10/2006 1:46 pm

Nossa... vc é fogo...


rm_soprameninas 36M
1 post
1/23/2007 10:51 am

AdultFriendFinder...
meu fiquei de pau durao durao....
parabens pela foda...


arcanarrow 31M

2/16/2011 4:40 pm

muito bom


Become a member to create a blog